Na pauta da violência

A pesquisa que deu origem a Revista Margarida tem como objetivo despertar para a necessidade da imprensa de conhecer e trabalhar as leis que garantem o tratamento editorial nos meios de comunicação quando estes tem de um lado a informação e de outro a violência relacionada a criança e o adolescente, exemplificando situações a partir da mídia local.

Pautas Ocultas no Universo Infanto-Juvenil

Apesar de ter como tema a infância e adolescência na pauta da violência, é possível destacar no presente estudo que esses personagens não tem prioridade na cobertura dos jornais impressos analisados. Temas de relevância para esse público, como educação, cultura e saúde, passam despercebidos aos olhos dos jornalistas. Na tabela a seguir é possível identificar quais são as pautas ocultas registradas nos jornais impressos avaliados.

Tabela 1 – PAUTAS OCULTAS NOS JORNAIS GAZETA DE SANTARÉM, JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS, JORNAL O IMPACTO NO PERIODO DE JULHO DE 2008 A AGOSTO DE 2009

FONTE: PESQUISADORA

Um dado preocupante pode ser levantado na tabela acima: em um universo de 141 publicações com abordagem infanto-juvenil, apenas uma publicação trabalhou a temática da mortalidade infantil, mesmo sendo a sua erradicação uma das oito metas de desenvolvimento do milênio. Essa temática está ligada a diversos organismos internacionais e órgãos do poder público, sendo constantemente lançados relatórios dessa situação nos mais diversos meios. Ainda assim é perceptível a falta de ligação entre a pauta em questão e o cotidiano das redações, apesar do estado do Pará ocupar o 14º lugar na lista de estados de maior índice de casos de mortalidade infantil no Brasil, segundo o Relatório da Situação da Infância e Adolescência Brasileiras da Unicef.

Na Tabela 1 ainda é possível observar que outras pautas importantes voltadas para esse público não são abordadas nos jornais impressos avaliados no período estabelecido na pesquisa, o que demonstra a falta de interesse dos jornalistas ou editoria dos jornais em trabalhar assuntos relevantes para esses personagens, como programas sociais, direitos, justiça e comportamento nos jornais locais.

A Violência nas Páginas dos Jornais

A pauta da violência envolvendo crianças e adolescentes apareceu 46 vezes no período da pesquisa e esse é o universo a ser analisado no presente capítulo. Entre os sub-temas da violência, o mais abordado nos jornais impressos de Santarém foi violência sexual, seguido de homicídio e apreensão de adolescentes em conflito com a lei. A tabela abaixo aponta os cinco tipos de violência que são mais destacados nos jornais avaliados. Nove dessas publicações apontam crianças e adolescentes como agentes causadores de atos violentos, e elas são analisadas no decorrer desse capítulo.

Tabela 2 – TIPOS DE VIOLÊNCIA PUBLICADAS NOS JORNAIS GAZETA DE SANTARÉM, JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS, JORNAL O IMPACTO NO PERIODO DE JULHO DE 2008 A AGOSTO DE 2009

FONTE: PESQUISADORA

A maior cobertura em torno do tema da violência ficou por conta do Jornal O Impacto, que publicou no período analisado 22 matérias, seguido pelo Jornal de Santarém e Baixo Amazonas (19) e o pelo Jornal Gazeta de Santarém com cinco matérias sobre violência envolvendo crianças e adolescentes.

Nas matérias que tratam da temática envolvendo crianças e adolescentes envolvidos com a prática de atos infracionais é observado a falta de domínio ou mesmo ignorância por parte dos jornais local quanto ao que preceitua o ECA quanto a denominação correta a ser utilizada para esse tipo de publicação. Na figura abaixo, dois adolescentes são apontados como “menores infratores”. O uso do termo menor caiu em desuso desde a substituição do Código de Mellos Mattos pelo Estatuto da Criança e do Adolescente. O termo correto é adolescente autor de ato infracional ou adolescente em conflito com a lei, quando comprovada a sua culpabilidade.

FIGURA 1: GANGUES ATERRORIZAM SANTARÉM

FONTE: JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS

A matéria Gangues aterrorizam Santarém é uma das poucas entre as avaliadas que destaca a existência do Estatuto da Criança e do Adolescente, mesmo assim, não deixa de utilizar de termos pejorativos, como ‘menor infrator’ ao referir-se aos adolescentes citados na reportagem. Vasques (2008, p. 34) destaca que:

[…] por se tratar supostamente de menores infratores, não tem faculdade de publicar os nomes dos jovens visto o disposto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que proíbe inclusive a publicação de qualquer dado que possa vir a identificá-los (Vasques, 2008, p. 34, grifo nosso)

Das 46 reportagens avaliadas, 20 desrespeitam o ECA. A maioria das publicações identifica a criança ou o adolescente envolvido em atos infracionais ou as vítimas de violência sexual, a partir da divulgação de suas iniciais. De todo o universo avaliado, somente oito publicações citam o ECA, mas sem nenhum aprofundamento da Lei.

Desconhecimento Sobre o ECA

Observa-se com freqüência nas matérias analisadas a utilização do termo ‘menor’ no título das matérias e no corpo dos textos. O termo reproduz o conceito de incapacidade na infância, sendo estigmatizante e discriminatório.

Na Figura 2, já no título é possível encontrar dois erros: o primeiro é a utilização do termo ‘menor’ e o segundo é quanto a apreensão da adolescente, que nesse caso está citada na reportagem como ‘presa’ entre aspas – o que revela que o repórter sabe que o uso da palavra está incorreta, mesmo assim não deixa de utilizá-la.

FIGURA 2 – MENOR É ALGEMADA E “PRESA” POR QUATRO DIAS EM ITAITUBA

FONTE: JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS DE 17 DE JULHO DE 2008

Os erros na publicação prosseguem e o repórter identifica a adolescente através das inicias do seu nome e por sete vezes usa o termo ‘menor’ para se referir à adolescente:

Neste caso que envolveu a menor, das iniciais J.S.F, de 17 anos, os registros […] que expôs a menor, mesmo sabendo que por se tratar de uma menor[…](OLIVEIRA, 2008, p. 4)

O Artigo 207 do Estatuto ressalta que nenhum adolescente a quem se atribua prática de ato infracional, ainda que ausente ou foragido, será chamado de infrator ou processado sem julgamento. Nessa mesma linha de raciocínio, é correto usar “adolescente que cumpre medida socioeducativa”, “adolescente responsabilizado” ou “adolescente internado” no lugar de “punido” ou “preso”, como está inserido no título da matéria.

A reportagem ressalta ainda a ausência da família, Conselho Tutelar, do Estado e do Poder Público nas ruas fiscalizando a presença do público infanto-juvenil em bares e casas noturnas em horário impróprio:

O horário que a menor se encontrava na rua cabe a responsabilidade dos pais e Conselho Tutelar que não está fazendo seu papel de coibir a presença de menores em local de risco. […] Infelizmente, a Comarca de Itaituba hoje estar representada apenas por um único promotor e uma juíza que respondem por duas varas, civil e criminal […] Afinal há uma grande falta de credibilidade por parte da população nas policias que fazem o que querem […] (OLIVEIRA, 2008, p. 4)

Ao identificar os possíveis responsáveis por situações adversas aos quais estão expostas crianças e adolescentes, o jornalista cumpre o seu papel de informar a população e de cobrar dos órgãos públicos o cumprimento de suas obrigações.

ECA Não é Prioridade na Pauta Infanto-Juvenil

Dois únicos exemplos de publicações, de um universo de 46, tem como tema o Estatuto da Criança e do Adolescente e a cobertura da mídia na cobertura da violência envolvendo crianças e adolescentes. As matérias foram publicadas no Jornal de Santarém e Baixo Amazonas em 17 de julho de 2008.

FIGURA 3 – CONSELHO TUTELAR FAZ REFLEXÃO SOBRE OS 18 ANOS DO ECA EM SANTARÉM

FONTE: JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS

A matéria acima teve como pauta os 18 anos de promulgação do ECA e fez ainda uma reflexão do trabalho desenvolvido pelo Conselho Tutelar na cidade de Santarém.

Ainda nesse período, foi publicado no Jornal de Santarém e Baixo Amazonas, uma nota sobre o lançamento do sítio na internet da Rede Andi – uma agência de monitoramento de mídia. O site foi elaborado especificamente para contribuir na cobertura de temas relacionados aos direitos das crianças e adolescentes.

FIGURA 4 – SITE AJUDA JORNALISTAS NA COBERTURA SOBRE DIREITOS DA INFÂNCIA

FONTE: JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS

A nota acima é a única publicação analisada que, além de abordar o ECA, apresenta a Lei e sua finalidade específica, ressaltando no seu derradeiro parágrafo o dever da família, da sociedade e do Estado em assegurar prioritariamente o direitos de crianças e adolescentes ao acesso à saúde, alimentação, cultura, dignidade, respeito, liberdade, convivência familiar e comunitária.

As duas publicações em nenhum momento desrespeitam o ECA. Mesmo assim, não são capazes de despertar no leitor uma reflexão mais específica sobre a violência envolvendo crianças e adolescentes. Não que esse tema seja o mais importante na composição do Estatuto, mas a sua violação implica no respeito a imagem desses meninos e meninas, além de gerar na sociedade o sentimento de discriminação desses personagens – principalmente quando esses estão envolvidos com a prática de atos infracionais.

O Bom e o Mal: Os Dois Extremos da Notícia

A matéria a seguir é um exemplo de que é possível informar a ação policial e manter a integridade do público infanto-juvenil envolvidos em ato infracional. O uso correto dos termos crianças e adolescentes, ao invés de ‘menor’ ou ‘infrator’ na reportagem evita que o estigma da marginalidade e rotulação atribuída a infância e adolescência, principalmente aos mais pobres, seja alimentado nos meios de comunicação.

FIGURA 5 – CRIANÇAS E ADOLESCENTES RESGATADOS


FONTE: JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS DE 15 DE AGOSTO DE 2008

Ao comparar reportagens analisadas é possível compreender que os fatos publicados nas páginas dos jornais podem até satisfazer o leitor, mas poucas vezes provocarão algum tipo de reflexão sobre a violência e suas causas.
Sobre isso, Silva, J (2002. p. 480 – 481) ressalta que:

[…] resta saber até onde a norma prevista no Estatuto vai ser respeitada. E isso vai depender muito da conscientização dos modernos meios de comunicação. Por isso, confio desconfiando. Confio em que nossos homens de imprensa saberão respeitar o preceito ora comentado e não divulgarão atos judiciais, policiais e administrativos que se refiram a crianças e adolescentes a que se atribua autoria de ato infracional. Mas a minha confiança não é absoluta, porque haverá sempre aqueles que, à caça de notícias, não pouparão crianças e adolescentes da publicidade perversa (SILVA, J, 2002. p. 480 – 48, grifo nosso)

Um exemplo desse tipo de “perversidade” no jornalismo é feito na reportagem abaixo. O repórter utiliza de sensacionalismo para atiçar a curiosidade do leitor e ainda provocar sentimentos de revolta, deixando de exercer sua finalidade social: informar o cidadão.

FIGURA 6 – ESTUPRADOR É SALVO DE LINCHAMENTO PELA POLÍCIA


FONTE: JORNAL O IMPACTO DE 28 DE NOVEMBRO DE 2008

Na publicação acima, o repórter usa uma série de termos desrespeitosos e desnecessários para o fiel repasse da informação. Cruz aponta que:

O estupro de uma adolescente no bairro do Ururará, no município de Santarém, fez com que população revoltada fizesse justiça com as próprias mãos. A adolescente, de 17 anos de idade, foi usada de maneira sexual violenta por três marginais, que usando de perversão ao extremo, por pouco não fizeram a garota assinar seu passaporte para o outro mundo (CRUZ, 2008, p. 3 – grifo nosso)

O repórter continua:

O triste e violento fato aconteceu no dia 08 de novembro, aparecendo como autores três adolescentes seguidores do capeta, que não atenderam aos apelos e gritos desesperados da adolescente e consumaram o fato, por pouco não a matando (CRUZ, 2008, p. 3 – grifo nosso)

Situação preocupante reforçada pela reportagem acima é a ausência de respostas para a violência envolvendo o público infanto-juvenil. Nenhuma entre as 46 reportagens analisadas aponta soluções para essa violência, evidenciando a falta de zelo jornalístico em apontar soluções para a problemática que faz crianças e adolescentes constantemente aparecerem nos jornais em situação de risco.

Fontes de Informação

A diversidade de fontes é importante para o trabalho jornalístico. Ser condizente com o direito a informação significa apresentar várias versões de um mesmo acontecimento. Ao ouvir fontes de diferentes segmentos da sociedade para um mesmo assunto, o jornalista aumenta a condição do leitor compreender o que a matéria pretende apresentar.

Na análise das 46 notícias publicadas, essa prática não é seguida. Um total de 29 notícias teve apenas a Polícia Civil como fonte. Outras 12 publicações ouviram mais de uma fonte, abrindo espaço para a família, os agentes e vítimas de violência responsável e o Ministério Público. Cinco fontes não foram possíveis de identificar nas reportagens ou foram produzidas unicamente com a opinião do repórter.

No gráfico abaixo é possível observar quais as principais fontes ouvidas pelos jornais avaliados:

GRÁFICO 1 – FONTES OUVIDAS NAS REPORTAGENS


FONTE: PESQUISADORA

A cobertura dos casos de violência envolvendo crianças e adolescentes é possível observar que a Polícia Civil, a partir dos Boletins de Ocorrência, é a primeira fonte a ser ouvida pela imprensa local, seguida dos familiares de agentes ou vítimas de violência.

Outras duas vozes que repercutem fortemente nas matérias quando o tema é a violência envolvendo o público infanto-juvenil, é o Conselho Tutelar e a Delegacia da Mulher – que nesse caso é destacada na pesquisa por ser ouvida separadamente da Polícia Civil nos casos de violência, principalmente quando a vítima é criança ou adolescente do sexo feminino.

TABELA 3 – FONTES CONSULTADAS NOS JORNAIS GAZETA DE SANTARÉM, JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS, JORNAL O IMPACTO NO PERIODO DE JULHO DE 2008 A AGOSTO DE 2009

FONTE: PESQUISADORA

A reportagem abaixo é uma entre as 12 que ouviu mais de uma fonte. Mesmo assim é possível constatar falhas na redação da reportagem, a primeira delas é a divulgação das iniciais que podem identificar a adolescente vítima de abuso sexual.

FIGURA 7 – MAIORIA DOS CASOS DE ABUSO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS FICA IMPUNE

FONTE: JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO AMAZONAS

A publicação acima é o único exemplo em que criança e/ou adolescente vítima ou agente de violência é ouvido pela imprensa. Em outros casos, a declaração desses personagens foi feita a partir dos relatos dados a Polícia Civil nos Boletins de Ocorrência. A tendência é apontar as consequências da violência através dos relatos da própria polícia, órgão que deve garantir a segurança do cidadão nas ruas, apurar e encaminhar os casos a justiça. Constatando que o tema da violência não é tratado com reflexões e investigações que busquem como fontes especialistas no assunto ou organismo de pesquisa, trazendo luz para essa situação. Uma preocupação a esse respeito é levantada por Silva, N (2002, p. 482):

[…] garantias estatuárias e constitucionais são cotidianamente violadas no noticiário, inclusive com a cumplicidade da autoridade policial, que, muitas vezes, atua como responsável pela pauta e como única fonte jornalística. Situação que implica a apresentação de uma única versão do fato. Neste caso, a criança aparece como vilã e sem espaço para expressar sua defesa (SILVA, N, 2002, p. 482)

A reportagem acima traz erros e acertos ao mesmo tempo. Algo curioso é levantado pelos jornalistas que assinam a reportagem: a mãe da adolescente ouvida na reportagem pede para não ser identificada e a reportagem aceita o pedido. Observa-se que os repórteres desconhecem ou ignoram o ECA, pois o mesmo preceitua que em qualquer publicação de crianças e adolescentes envolvidas com atos infracionais, esses personagens não poderão ser identificados, vedando-se fotografia, referência a nome, apelido, filiação, parentesco, residência e, inclusive, iniciais do nome e sobrenome.

A Preservação da Imagem da Criança e do Adolescente

É válido ressaltar que o Estatuto veda a divulgação de atos que digam respeito a crianças e adolescentes a quem se atribue a autoria de ato infracional, não impedindo a identificação de crianças e adolescentes, quando esses são vítimas de violência. Mesmo assim, recomenda-se que a imagem desses personagens seja resguardada. Quanto ao excesso de publicidade diante desses casos, Silva, J (2002, p. 479) ressalta que:

[…] que o dispositivo ora em exame refere-se, apenas, a divulgação de atos que digam respeito a crianças e adolescentes a que seja atribuída a autoria de ato infracional […] estou convencido de que as vítimas e, até, as testemunhas devam ser protegidas.

Mesmo cometendo erros comuns e que por vezes podem passar despercebidos aos olhos dos leitores leigos quanto a legislação em defesa do direito e preservação da imagem infanto-juvenil, a reportagem é uma das cinco entre as analisadas que tem o Conselho Tutelar como uma de suas fontes. A publicação também aponta dados levantados pelo órgão e que contribuem para o conhecimento da realidade da violência sexual no município. A reportagem apresenta ainda programas sociais voltadas para crianças e adolescentes.

Em muitos casos, a única fonte de informação para o repórter são os dados levantados pelo Conselho Tutelar. A situação que o órgão enfrenta, principalmente quanto a estrutura do lugar, reforça o número de pautas sem aprofundamento quanto a questão de crianças e adolescentes envolvidos com a violência e apenas fomentam o discurso em prol de uma melhor organização para esse setor, sem apontar para a população, possibilidades fundamentadas para a diminuição da violência.

FIGURA – 8: PROSTITUIÇÃO DE MENORES É UMA REALIDADE

FONTE: JORNAL DE SANTARÉM E BAIXO-AMAZONAS

Apesar da reportagem acima apenas fazer referência aos dados levantados pelo Conselho Tutelar e emitirem a opinião do repórter e de nenhum outro especialista sobre a temática, como um psicólogo ou um pedagogo, esse não é um caso isolado.

No exemplo abaixo, o jornalista relata o caso em que uma adolescente comete um ato infracional. Além de expor a adolescente, através da identificação de suas iniciais, sua filiação e a localização do lugar onde morava, a reportagem usa termos do tipo “endemoniado”, “coração perverso da vítima”, “cheio do mé e coberto de más intenções” ao referir-se a vítima do ato infracional no qual a adolescente assume ser a responsável. A fonte da reportagem é o depoimento da mãe da adolescente e do delegado responsável pelo caso. Nesse caso, a presença do Conselho Tutelar e até mesmo do Juizado da Infância e Juventude, daria a comunidade respostas fundamentadas e sem sensacionalismo para esse tipo de situação, uma vez que a violência tem se tornado um problema social, e não uma ato isolado e sem grandes consequências.

FIGURA 9 – ADOLESCENTE DE 14 ANOS MATA AMANTE DE SUA MÃE

FONTE: JORNAL O IMPACTO

A falta de ética dos jornalistas não está apenas evidente quando a criança e o adolescente são a pauta da violência, o uso de termos fortes e que provocam sentimentos de vingança, desrespeito e revolta estão por quase todas as partes dos noticiários locais, principalmente quando essas publicações envolvem violência.

As crianças e adolescentes, agentes ou não da violência, acabam sendo vítimas de uma imprensa que tem se ocupado apenas com os fatos e a publicação dos mesmos, sem se importar com a consequência de expor meninos e meninas a situações vexatórias e discriminatórias, em desacordo com o ECA. Ao invés de propor que a sociedade respeite o direito infanto-juvenil e aprenda com os erros do passado, as reportagens avaliadas tem feito o caminho inverso, deixando crianças e adolescentes as margens dos acontecimentos, dando atenção apenas para casos nos quais esses são protagonistas da violência.

Advertisements

Capa da Revista

Capa da revista

Twitter Updates

Enter your email address to subscribe to this blog and receive notifications of new posts by email.

Join 2 other followers